web design software free

MEDICINA MANUAL

A medicina manual é tão antiga quanto à ciência e a arte da medicina propriamente dita. Há fortes indícios de que o uso dos procedimentos da medicina manual na Tailândia antiga, como mostram esculturas de pelo menos 4000 anos. O uso das mãos no tratamento de traumatismos e doenças foi praticado pêlos egípcios antigos. Já mais de 2500 anos atrás na Grécia antiga, Asclépio, deus da medicina, foi representado nos baixos-relevos de templos gregos, enquanto exercem uma redução na dobradiça cervico-dorsal. Um pouco "mais tarde, o médico Herodicus de Selymbria, professor de Hipócrates, a cirurgia não é uma especialidades instrumentais ensinadas na Escola de Alexandria com os princípios da nossa era. As primeiras referências à prática da medicina manual se referem ao antigo Egito. Uma descoberta a tumba do Faraó Ramsés II (em torno de 1238-1235 a.C.) mostra a figura de um profissional tratando o que parece ser uma lesão de cotovelo. Acredita-se que os Sumérios também fizessem manipulações.No apogeu da cultura grega, durante o chamado ciclo de Péricles, Hipócrates (460-377 a.C.), descreveu detalhadamente, em seu tratado das articulações, as manobras de redução articular sejam com ajuda de um instrumento de tração ou bem com técnicas puramente manuais.Na Roma antiga, Claudio Galeno (129-201 d.C.), herdeiro de Hipócrates, sabia manipular normalmente as articulações.Por volta do ano 1.000, no Iran, Avicena praticava terapias manuais. 

Pesquisadores constataram que Hipócrates, pai da medicina moderna, usou procedimentos da medicina manual, particularmente técnicas de tração e alavancagem, no tratamento de deformidades da coluna vertebral. Os escritos de figuras históricas notáveis como Galeno, Celisies e Oribásio referem-se ao uso de procedimentos manipulativos. Há uma lacuna no relato do uso dos procedimentos da medicina manual correspondente ao tempo aproximado da divisão entre médicos e cirurgiões-barbeiros. A partir do momento que os médicos passaram a ter menos contato com o paciente e que os cuidados diretos práticos com o paciente foram se tornando campo dos cirurgiões-barbeiros, o papel da medicina manual na arte da cura parece ter entrado em declínio. Esse período também representa o tempo das epidemias e talvez os médicos se mostrassem reticentes em entrar em contato pessoal próximo com seus pacientes.    

              No século XIX, observou-se um renascimento do interesse por esse campo. No início desse século, o Doutor Edward Harrison, graduado em 1784 pela Edinburgh University, desenvolveu respeitável reputação em Londres utilizando procedimentos da medicina manual.Como muitos outros proponentes da medicina manual no século XIX, ele acabou por alienar-se de seus colegas ao persistir no uso de tais procedimentos.  


Os "Endireitadores de Ossos" (Bonesetters)


              O século XIX foi um período de grande popularidade para os "endireitadores de ossos" (bonesetters), tanto na Inglaterra quanto nos Estados Unidos. O trabalho de Hutton, um habilidoso e famoso bonesetter, levou médicos eminentes como James Paget e Wharton Hood a relatarem em publicações médicas de prestígio, como o Rritish cal Journal e The Lancet, que a comunidade médica devia prestar atenção ao sucesso dos clínicos não-ortodoxos de banesetting. Nos Estados Unidos, a família Sweet praticou o bonesetting com maestria na região da Nova Inglaterra de Rhode Island e Connecticut. Há relatos tam­bém de que os descendentes da família Sweet emigra­ram para o oeste na metade do século XIX. Sir HerbertBarker foi um renomado bonesetter inglês que trabalhou até o primeiro quarto do século XX e sua distinção foi tal que chegou a ser nomeado cavaleiro da coroa.


A Controvérsia do Século XIX 

               

             O século XIX foi um período de tumulto e controvérsia na prática médica. A história médica da época está repleta de sistemas não-ortodoxos de cura. Dois indivíduos que iriam influenciar profundamente o campo da medicina manual surgiram nesse período de agitação médica. Andrew Taylor Still, M.D., foi um médico treinado dentro dos moldes de treinamento por preceptores em vigor naquela época e D.D. Palmer foi um dono de mercearia que se tornou médico de manipulação autodidata.

Com o crescimento da Osteopatia, Quiropraxia moderna ,diversos médicos voltaram-se para as praticas manuais novamente,incentivados pelos resultados obtidos pelas praticas citadas acima e suas respectivas histórias de sucesso. A Medicina Manual atualmente não é apenas manipulações voltadas para médicos e sim um conjunto de tecnicas ,procedimentos e avaliações sofisticadas ,onde diversas terapias fazem parte e tomou devido crescimento após o periodo entre guerras e logo sustentou historicamente que tanto os médicos ortodoxos e os “não médicos” ,contribuissem para o surgimentos dessa disciplina de saúde que atualmente é composta por : Osteopatia Britanica e Americana, Quiropraxia Americana e o método MacTimoney, Etiopatia, Medicina Napravith e Massoterapia cientifica. 

AMedicina manual está em franco crescimento e atualmente, fazem parte do repertório no sistema de cuidados de maior crescimento no mundo.


 


CIÊNCIA DE MANIPULAÇÃO E A MEDICINA MANUAL


Em 1970, diversos Osteopatas e Médicos Fisiatras iniciaram uma campanha para prolongarem os métodos de terapias manuais, foi quando se deu o surgimento dos cursos de massagem miofasciais e abordagens osteopaticas de terapia corporal. Os sistemas de Rolf já haviam modificado as abordagens mecânicas de terapeutas corporais, mas muitos deles não sabiam utilizar avaliações naturais como a palpação.Técnicas orientais e nem mesmo a poderosa e velha técnica da massagem clássica, poderiam oferecer ferramentas de precisão manual. Uma nova forma de massagem estava sendo desenvolvida no mercado Europeu, onde a palpação, a antiga arte de ouvir o corpo retornava para as mãos dos antigos “Práticos”, como diziam os médicos referindo-se aos massoterapeutas. Tal técnica fornecia conhecimentos de diversas áreas. Muitos métodos foram adotados da Osteopatia Britânica, outros da própria medicina e outros oriundos da própria massagem. Tais métodos levaram os profissionais a desenvolverem sistemas de percepção tecidual muito além do que esperavam. Nos currículos de licenciamento em massoterapia na Grã – Bretanha e parte da Alemanha e Suécia o uso de palpação é fundamental para os terapeutas, inicialmente em 1985. Vários nomes auxiliaram neste crescimento da massagem científica ou Terapia por massagem, dentre eles: Leon Chaitow, Robert Shilleip, Phillip E.Greenman, Freymann, James e Henri Cyriax, Patrick Pietronny, M.W.Dixon, W.Oshumann, dentre outros. Os métodos de palpação podem variar desde, simples achados nos tecidos, avaliações recorrentes, explorar campos de energia e observação da fisiologia.

Um destes métodos ficou conhecido pela abordagem crânio sacral de John Upledger, compartilhado por Chaitow e Lawrence Jonnes. Existe um método todo focado para o campo de energia utilizado pelo Osteopata Jean Pierre Barral, onde se trabalha os campos energéticos nas vísceras. Já Upledger conseguia perceber os tecidos em restrições e micro-movimentos. Chaitow ensinou aos massoterapeutas a abordagem para os tecidos conjuntivos. Jonnes, observou campos de disfunções nos tecidos musculares. O mais fantástico é que a medicina não aceitava a avaliação manual devido à falta de precisão, dizia a medicina nos anos de 1950. Com este crescimento das técnicas de palpação a massagem cientifica ganhou notoriedade mundial. Esperamos que continue a crescer aqui no Brasil e principalmente que os massoterapeutas pesquisem ,dediquem-se e se aperfeiçoem na profissão.- ABRAMC- Um novo conceito em saúde.


A massagem científica ficou conhecda por massoterapia clínica entre os anos 1960-1980 e desde então tem crescido no universo manual.


O que a massoterapia clínica não é?

 

A massoterapia clínica não pode ser confundida com qualquer outra forma de trabalho manual. Sendo um método separado e respaldado cientificamente.

 

-Ela pertence à Osteopatia? - Apesar de grande influencia do método osteopatico a massoterapia clínica continua sendo uma forma de terapia manual que compreende o campo de atuação restrito miofascio – osteo articular e bioenergético. Já a Osteopatia é considerada uma medicina independente que trabalha o sistema músculo neuro esqueleto.

-Não pertence ou parece com a Quiropraxia? – A quiropraxia tem sua doutrina de tratamento compreendendo o sistema músculo-neuro esqueleto e caminha sobre o ponto de vista da analise do complexo de subluxação. A massoterapia clínica trabalha com tecidos moles e seu ponto de trabalho está fixado na disfunção.

 

-Não pertence à Fisioterapia? A fisioterapia procede com conduta de reabilitação e também utiliza terapias e conceitos manuais próprios e apesar de a massoterapia clinica utilizar o nome massagem abrange conceitos e métodos não voltados para reabilitar e sim educar e reeducar o cliente.

 

-Não pertence à Napravith? Não, pois apesar de utilizar métodos similares de avaliação miofascial os métodos da naprapatic medicine atua nos sistemas de conexão e osteoarticulares, seus praticantes são considerados médicos manuais enquanto a massoterapia clínica está no campo da terapia manual ou seja, uma disciplina de saúde.

 

-Pertence às terapias do corpo Body work? Apesar de utilizar grande parte do arsenal técnico advindo da body work a massagem clínica compreende uma metodologia própria que difere do pensamento do trabalho corporal.

 

-É um aglomerado de técnicas manuais? A Massoterapia não é um aglomerado de técnicas engendradas ou um misto de métodos orientais e ocidentais como muitos afirmam. Essa falsa crença acabou com a reforma da massoterapia em 1960. Atualmente faculdades Européias e Americanas afirmam um campo propedêutico de estudo que informa e prepara o profissional para atuar com qualquer técnica manual, utilizando princípios e fundamentos da escola de terapia vitalista (naturopata) pertencente aos axiomas de campo da massoterapia imbuídos da mesma crença dos Homeopatas, Osteopatas e Acupunturistas.

 



MASSOTERAPIA CLINICA ® - o que é?


A massoterapia clínica é um sistema especializado de terapia manipulativa para avaliação, teste e tratamento de disfunções, que auxilia equipes multidisciplinares em área de saúde e totalmente voltado para o atendimento de prevenção e cuidados assistidos. Originalmente a massoterapia clinica foi proposta como reingresso da terapia por massagem dentro da área de saúde, durante os anos entre 1960-1980 na Europa e Estados Unidos. Antes dessa data existiam formatos separados de massagem sem especificação ou metodologia cientifica compreendida e aceita. Em contrapartida muitos pesquisadores já desenvolviam trabalhos corporais sofisticados, porém não aceitos cientificamente. Diversos autores abordavam trabalhos manuais para fascia, tecido visceral e osteoarticular. A unificação destes trabalhos resultou neste formato científico. No Brasil a ABRAMC, trabalha com massoterapia clínica para atuação e atendimento ao púbico e aperfeiçoamento de profissionais técnicos em massagem que queiram ampliar seu arsenal terapêutico. O foco de trabalho deste sistema de massoterapia é o tecido miofascio osteo articular e bioenergético. Atua com 05 axiomas de campo que compõe o raciocínio clinico, onde o foco é a situação disfuncional do arcabouço corporal e utiliza crença naturopata em sua estrutura terapêutica de atuação e atendimento.

A massoterapia clínica® é de exclusiva abordagem para o profissional de massoterapia.


 

 

GREENMAN, Philip E. Princípios da Medicina Manual. 2 ed. São Paulo: Editora Manole, 2001

SBMM- Sociedade Brasileira de Medicina manual.

Endereço: R. Aurelino Leal, 51 - Centro, Niterói - RJ, 24020-110

ENDEREÇO
R. Aurelino Leal, 51
Centro, Niterói - RJ

CONTAC
Email: contato@abamc.org.br
Tel.: (021) 3685-1595
Fax: +1 (0) 000 0000 002

PARCEIROS